Track 07 (Dia 2.) 26 sep 2019 (11:30-14:30h) 06 UC3M Getafe Edif. 18 (Aula 18.1.A03) Grupo de Trabajo | Sesión Especial
26 Sep 2019 11:30 AM - 02:30 PM(UTC)
20190926T1130 20190926T1430 UTC GT.POL 2019-30 Nuevos enfoques en evaluación de políticas públicas: Discusiones y experiencias Iberoamericanas (conmemorativo 2017-2019)

Coordinación:

Breynner Ricardo de OliveiraProfessor, Universidade Federal de Ouro Preto - UFOPbreynner.oliveira@gmail.com 

Alcides Fernando GussiProfessor, Universidade Federal do Ceará - UFCagussi@uol.com.br 

Las agendas gubernamentales han reforzado el papel de la evaluación de políticas públicas en el proceso de formulación e implementación de programas y acciones promovidas por los sectores público, privado y público-no estatal, especialmente después de las reformas políticas por las cuales los diversos estados nacionales han pasado desde las décadas de 1980 y 1990. Sin embargo, en este escenario, se presentan, cada vez más, demandas de la sociedad civil, sobretodo en las dos primeras décadas del siglo XXI, cuanto a su participación en las evaluaciones realizadas, a cuestionar las formas, usos e intencionalidades políticas y, de otro modo desde sobretodo la academia, cuestionar los aportes teórico-metodológicos de las evaluaciones. La posibilidad de apertura de la evaluación para la participación de distintos actores sociales y institucionales plantea nuevas preguntas: ¿para qué evaluar? ¿Cómo evaluar? ¿Evaluar, para quién y para qué? A partir de esas preguntas, el Grupo de Trabajo propone reflexionar los sentidos de evaluar políticas públicas en el actual contexto político iberoamericano. Se pretende poner en cuestión escenarios políticos y la adecación de modelos clásicos de evaluación de políticas públicas delante de paradigmas emergentes de evaluación - que remiten a diferentes ontologias y epistemologias - por medio de discusiones teórico-metodológicas y experiencias concretas en el ámbito iberoamericano. Tratase de la búsqueda de uma abertura política y analítica de la evaluación de políticas ...

06 UC3M Getafe Edif. 18 (Aula 18.1.A03) GIGAPP X Congreso Internacional en Gobierno, Administracion y Politicas Publicas 2019 congresox@gigapp.org

Coordinación:

Breynner Ricardo de Oliveira
Professor, Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP
breynner.oliveira@gmail.com 

Alcides Fernando Gussi
Professor, Universidade Federal do Ceará - UFC
agussi@uol.com.br 


Las agendas gubernamentales han reforzado el papel de la evaluación de políticas públicas en el proceso de formulación e implementación de programas y acciones promovidas por los sectores público, privado y público-no estatal, especialmente después de las reformas políticas por las cuales los diversos estados nacionales han pasado desde las décadas de 1980 y 1990. Sin embargo, en este escenario, se presentan, cada vez más, demandas de la sociedad civil, sobretodo en las dos primeras décadas del siglo XXI, cuanto a su participación en las evaluaciones realizadas, a cuestionar las formas, usos e intencionalidades políticas y, de otro modo desde sobretodo la academia, cuestionar los aportes teórico-metodológicos de las evaluaciones. La posibilidad de apertura de la evaluación para la participación de distintos actores sociales y institucionales plantea nuevas preguntas: ¿para qué evaluar? ¿Cómo evaluar? ¿Evaluar, para quién y para qué? A partir de esas preguntas, el Grupo de Trabajo propone reflexionar los sentidos de evaluar políticas públicas en el actual contexto político iberoamericano. Se pretende poner en cuestión escenarios políticos y la adecación de modelos clásicos de evaluación de políticas públicas delante de paradigmas emergentes de evaluación - que remiten a diferentes ontologias y epistemologias - por medio de discusiones teórico-metodológicas y experiencias concretas en el ámbito iberoamericano. Tratase de la búsqueda de uma abertura política y analítica de la evaluación de políticas públicas, más allá que sus procedimentos técnicos y modelos formales, a partir de evaluaciones imnovadoras de políticas y programas de variados sectores. El objetivo del GT es debatir los límites y posibilidades de nuevos enfoques de evaluación, sobretodo evaluaciones hermenêuticas, contextualizadas en sus tempos y espacíos específicos, y participativas, que se adhieren a valores políticos centrados en perspectivas emancipatórias por medio de la participación de distintos actores sociales en las evaluaciones desde uma mirada contrahegemónica em el campo epistêmico de la evaluación. Para ello, se pretende agregar trabajos que presenten experiencias, reflexiones y estudíos evaluativos realizados, bajo diferentes enfoques, de evaluación, en sus distintas y diversas dimensiones, agregando la multiplicidad y temáticas en el campo.

Grupo de Trabajo Congresos anteriores 

GIGAPP 2018 - Nuevos enfoques de evaluación de política públicas: experiencias iberoamericanas


GIGAPP 2017 - Novas abordagens e perspectivas em avaliação de políticas públicas: o que podemos aprender com a experiência ibero-americana?



Enfoques contra-hegemônicos e pesquisa qualitativa: desafios da avaliação em profundidade em políticas públicas.
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 12:00 Noon - 03:00 PM (UTC) 2019/09/26 12:00:00 UTC - 2019/09/26 15:00:00 UTC
No século XXI, ampliam-se os debates em torno da interdisciplinaridade, chamando a atenção para os usos de metodologias qualitativas em campos do conhecimento focados na mensuração de dados. Este artigo discute o lugar da pesquisa qualitativa em avaliações com enfoques contra-hegemônicos. Toma como eixo de discussão a avaliação em profundidade, problematizando alcances, limites e dilemas impostos quando se confere importância a contextos amplos e aos sentidos e significados atribuídos à política pelos sujeitos por ela contemplados. Argumenta-se que para além de compreensões de ordem epistemológica e metodológica, operacionalizar a avaliação em profundidade implica compromissos ético-políticos que dialogam com a efetivação de direitos no bojo da democracia, sendo este um desafio no campo da avaliação, dadas as disputas de paradigmas distintos que perpassam a ciência. Como enfoque empírico para a discussão, a proposta foca em uma discussão no âmbito da avaliação de políticas de cultura na cidade de Fortaleza (Brasil), buscando compreender como avaliações com levantamento de dados qualitativos podem colaborar nessa área do conhecimento. Logo, tem como eixo de discussão o campo da avaliação, observando os limites que avaliações focalizadas em dados quantitativos apontam.
Presenters
DC
Danielle Cruz
Professora, Universidade De Fortaleza
Diseño y evolución de instrumentos de política de I+D: El caso de la financiación competitiva de la ciencia en Galicia
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 12:00 Noon - 03:00 PM (UTC) 2019/09/26 12:00:00 UTC - 2019/09/26 15:00:00 UTC
El conjunto de instrumentos de política existentes en un sector interactúan entre sí y evolucionan con el tiempo. Por eso, los enfoques tradicionales centrados bien en las políticas en general, bien en el estudio de instrumentos singulares han dejado paso a un interés creciente por el análisis de los mixes de instrumentos. El objetivo de este artículo es mejorar la comprensión de los procesos de evolución de los mixes de instrumentos de políticas públicas en lo relativo a los factores condicionantes del diseño de nuevos instrumentos, así como a las interacciones entre distintos instrumentos y sus potenciales efectos sobre las organizaciones y los actores. Para este fin, se analiza el desarrollo histórico (2006-2018) del conjunto de instrumentos de financiación competitiva de la Investigación y Desarrollo (I+D) de la Xunta de Galicia. El caso es relevante porque la financiación competitiva de la I+D en Galicia supone una proporción significativa de los recursos totales para investigación de las universidades. Por tanto, este tipo de instrumentos tienen capacidad potencial de producir efectos importantes en el sistema universitario y en el comportamiento de los actores. Las técnicas de investigación empleadas incluyen el análisis de documentos legales y la realización de entrevistas semi-estructuradas, así como de grupos de discusión con actores implicados y grupos afectados por las políticas. Los principales resultados incluyen los siguientes: (1) el cambio de partido en el Gobierno y de los responsables administrativos de la política resultan en la sustitución de instrumentos; (2) se confirma el impacto de la estructura del Gobierno en las características de los instrumentos implementados, así como las limitaciones que crean las capacidades organizativas y administrativas; (3) se detecta una tendencia a la acumulación de instrumentos y a la inercia; (4) se identifican los efectos negativos de esa acumulación en el aumento de las tareas de gestión administrativa y evaluativas, tanto en la Administración como en las universidades; (5) se observan algunos potenciales efectos indeseados sobre la autoridad y el liderazgo de los directores de centros y unidades de I+D que resultan de la interacción entre instrumentos destinados a grupos-objetivo distintos; y (6) se muestran potenciales conflictos y limitaciones resultantes de la co-financiación de programas regionales con recursos europeos (en este caso de estudio del Fondo Europeo de Desarrollo Regional).
Presenters
MP
Manuel Pereira-Puga
Investigador Postdoctoral , Instituto De Políticas Y Bienes Públicos (IPP). Consejo Superior De Investigaciones Científicas (CSIC)
Co-authors
LS
Luis Sanz-Menéndez
Instituto De Políticas Y Bienes Públicos (IPP). Consejo Superior De Investigaciones Científicas (CSIC)
Capacidades Institucionales Para la Implementación de Políticas del Pos-conflicto en Colombia Análisis de caso en 6 Municipios, aplicando el modelo (CAPS – DAS)
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 12:00 Noon - 03:00 PM (UTC) 2019/09/26 12:00:00 UTC - 2019/09/26 15:00:00 UTC
Esta ponencia, pretende exponer los resultados de un estudio de caso en 6 municipios post-conflicto, donde se evalúan y analizan sus capacidades institucionales, para implementar los acuerdos de paz suscritos con las FARC. El modelo (CAPS - DAS)1, que considero un modelo no ortodoxo, se concentra en la etapa de implementación de una política pública, analizando concretamente tres momentos: Decisiones, Acciones y Soluciones. Esto implica que los actores o grupos focales indagados, son actores protagonistas de estos tres momentos, tales como políticos, funcionarios, técnicos, profesionales y/o actores sociales, que intervienen en la territorialización de las acciones de política. Ademas, se obtienen resultados comprables sobre los Conocimientos, Actitudes y Prácticas, de los individuos partícipes en la implementación (actores indagados). Con lo cual es posible definir el estado actual y escenarios potenciales del proceso de implementación, proponer estrategias de mejoramiento, e impulsar cambios estructurales, en las tradicionales formas de evaluar o analizar la administración pública, en su ejercicio de implementar políticas públicas; en este caso, de los acuerdos de paz con las FARC.
Presenters
JB
Juan Carlos Bejarano Moreno
Director, Corporacion CIDECC - Gurpo De Investigación Escuela Superior De Administración Püblica (ESAP)
Evaluación del Desempeño y efectividad de programas sociales . Un estudio meta - evaluativo.
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 12:00 Noon - 03:00 PM (UTC) 2019/09/26 12:00:00 UTC - 2019/09/26 15:00:00 UTC
La evaluación de políticas y programas públicos constituyen herramientas significativas para modernizar el estado y lograr una gestión pública basada en resultados. La preocupación por instalar evaluaciones sistemáticas y periódicas del gasto público en América Latina se ha ido acentuando en los últimos años, pero aún no se es reconocible como una práctica permanente, desplegada y sistemática que apoyada en una institucionalidad sólida que las respalde. El estudio de Kaufmann, Sanginés, y García (2015) da cuenta, por ejemplo del bajo nivel de desempeño mostrado por los países participantes en la medición en lo referido al pilar seguimiento y evaluación monitoreo y evaluación. En algunos países de la región los esfuerzos para institucionalizar una cultura evaluativa y generar un sistema integral evaluación y control del gasto para el mejoramiento de la eficiencia de la asignación y buen uso de los recursos públicos. Es el caso de Chile, en el cual se viene realizando diversos tipos de evaluaciones con la finalidad de rendir cuentas a la ciudadanía desde el año 1997. Después de más de 20 años de ejercicio evaluativo de políticas y programas públicos, los indicadores de desempeño de los programas evaluados nos señalan importantes déficits en la capacidad institucional de muchos servicios públicos para lograr resultados satisfactorios en la implementación de programas públicos en Chile. Así por ejemplo, en la línea de Evaluación de programas gubernamentales (EPG) para el año 2017 cerca del 50 % de los programas evaluados mostraron mal desempeño. En este contexto, éste paper tiene como objetivo mostrar los resultados de una meta – evaluación que realizamos sobre una muestra de 30 programas sociales evaluados por panel de expertos entre los años 2010 – 2018 en los sectores de: Seguridad ciudadana, Salud y étnico – rural. El propósito del estudio fue evaluar las evaluaciones con un sentido de trazabilidad, para ello se emplearon los siguientes ámbitos que la Dirección de Presupuestos (DIPRES) utilizar para este tipo de evaluación ex post: Diseño y/o estrategia de intervención del programa. , Implementación de los programas, Eficiencia en la provisión de los bienes y/o servicios y Evidencia de resultados intermedios y/o finales de los programas.
Presenters Carlos Haefner
Académico Escuela De Administración Pública, Facultad De Ciencias Económicas Y Administrativas, Universidad Austral De Chile
O lugar da integração metodológica na avaliação de políticas públicas: uma aproximação entre a avaliação em profundidade e o método grafos
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 12:00 Noon - 03:00 PM (UTC) 2019/09/26 12:00:00 UTC - 2019/09/26 15:00:00 UTC
A perspectiva da Avaliação em Profundidade para o estudo de políticas públicas surgiu como uma alternativa às avaliações de cunho tradicional a partir da constatação das insuficiências desses modelos em compreender a multidimensionalidade de uma política para além de uma análise baseada na eficiência, eficácia e efetividade. Essa concepção avaliativa privilegia a experiência e o contexto na qual a política foi implementada. Para tanto, apresenta quatro eixos analíticos: conteúdo da política e/ou do programa, contemplando: formulação, bases conceituais e coerência interna; análise de contexto de formulação da política; trajetória institucional e espectro temporal e territorial abarcado pela política/programa. Cada um desses eixos de análise demanda uma abordagem extensa, detalhada, multidimensional e construção de possibilidades metodológicas para que o pesquisador/avaliador disponha de mais elementos para se decidir quanto ao escopo/amplitude de sua investigação. Assim, tal perspectiva reforça o caráter subjetivo da pesquisa e do pesquisador, essa categoria quando considerada, se apresenta de maneira secundária, nas avaliações tradicionais e hegemônicas, durante todo o percurso de construção da política, qual seja, da possibilidade dessa política estar na pauta da agenda pública até a sua implementação e, consequentemente avaliação. Outro aspecto relevante deste estudo e, com estrutura basilar na Teoria dos Jogos e na Teoria dos Grafos, o método Modelo de Grafos para Resolução de Conflito (GMCR) permite modelar o conflito com um número específico de jogadores que, a partir do esboço do problema e sinalização de sua evolução, projeta uma arquitetura de possíveis soluções. A originalidade do GMCR está em apontar caminhos para tomada de decisão multiparticipante e multiobjetivo, pois, nos fenômenos sociais há interação entre agentes que reconhecem a interdependência mútua de suas decisões, isto é, que decisões individuais afetam a todos os envolvidos na interação e, por isso, pode-se construir modelos que permitem a análise dos possíveis desdobramentos desses fenômenos. De modo geral, os problemas concernentes à decisão compartilham uma estrutura similar, qual seja: (i) um jogador enfrenta uma situação na qual ele tem que escolher uma das várias alternativas; (ii) cada escolha resulta em algum resultado, e as consequências desse resultado serão suportadas pelo próprio jogador (ou mesmo por outros jogadores também). Ademais, problema da decisão consiste em três fatores: (i) Ações; (ii) Resultados; (iii) Preferências. Dessa maneira, um dado conflito pode resultar de combinação de fatores sociais, políticos, institucionais, econômicos, territoriais e ambientais. Neste sentido, o presente artigo tem como objetivo articular formulações teóricas da Avaliação em Profundidade, destacada na subjetividade do pesquisador, com a proposta do Método Grafos, enfatizada na subjetividade do pesquisado, como percurso metodológico possível para o eixo referente ao espectro temporal e territorial abarcado pela política/programa a ser avaliado, tendo em vista a importância de compreender sua trajetória pelas vias institucionais e espaços socioculturais. Trata-se, portanto, de conhecer os beneficiários da política pública e como esses a ressignifica, qual contexto, mediações de ordem simbólica e política que o atravessam, evidenciando a relevância dos instrumentos qualitativos para avaliação das políticas públicas sem, no entanto, lançar mão do aspecto quantitativo também evidenciado pelo método grafos.
Presenters
CS
Cristiane Vieira Dos Santos
Graduanda Em Gestão De Políticas Públicas, Universidade Federal Do Ceará - UFC
GC
Gil Célio De Castro Cardoso
Professor, Universidade Federal Do Ceará - UFC
JD
João Paulo Da Silva Costa
Mestrando, Universidade Federal Do Ceará - UFC
SC
Suely Chacon
Uso efectivo de la información de evaluación en programas públicos. Análisis del caso de Educafin en México
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 12:00 Noon - 03:00 PM (UTC) 2019/09/26 12:00:00 UTC - 2019/09/26 15:00:00 UTC
Gran parte de la evidencia empírica de los últimos años en países industrializados sugiere que la información proveniente de las evaluaciones (y del seguimiento) de los programas no se utiliza en la toma de decisiones o, si se hace, se lleva a cabo de forma muy limitada. En este documento se analiza el caso de una organización de nivel estatal mexicana, Educafin, que utiliza la información de las evaluaciones que realiza a sus programas para generar intervenciones gubernamentales más efectivas. El análisis de la información muestra que esta información sí se utiliza, aunque no exclusivamente para tomar decisiones de manera directa (uso instrumental). Se utiliza también para otros propósitos; por ejemplo, para elaborar estrategias de acción de mediano y largo plazo (uso conceptual), y para persuadir a otros sobre una idea particular (uso simbólico). En el caso de Educafin, se observa el desarrollo de tres historias con usos de la información de las evaluaciones muy particulares. La primera historia se refiere al uso de la información de las evaluaciones para tomar decisiones de forma directa, pero no para producir profundos cambios en los programas o para asignar recursos presupuestales, sino para realizar modificaciones sobre aspectos relacionados con la operación de las intervenciones públicas. En este caso, el apoyo de los altos funcionarios para usar la información de las evaluaciones (atributos políticos) fomenta la elaboración de rutinas organizacionales que promueven el uso de dicha información (atributos organizacionales) las cuales, finalmente, incentivan la generación de información oportuna y confiable (atributos racionales). En la segunda historia, las potenciales presiones externas, particularmente las mediáticas y sociales, determinaron un tipo de uso que buscaba alcanzar, principalmente, beneficios en el corto plazo. De esta forma se busca evadir responsabilidad (Brunsson, 2007) sobre los efectos que puede generar algunas decisiones porque puedan afectar los intereses de algunos grupos específicos. La tercera historia también se relaciona con el tipo de uso simbólico, pero a diferencia de la anterior, se busca fomentar la efectividad de las políticas públicas (y no alcanzar beneficios particulares) a través de la argumentación, la concientización, la legitimación y la confianza. Para alcanzar este tipo de uso es fundamental contar con el apoyo de altos funcionarios del gobierno para usar la información de las evaluaciones (atributos políticos), así como de un convencimiento de la utilidad de dicha información (atributos individuales). Estos atributos permiten construir rutinas organizacionales que promuevan el uso de la información de las evaluaciones (atributos organizacionales), las que a su vez propician la generación de información oportuna, confiable y concreta (atributos racionales). Palabras clave: Uso de información, evaluación, Educafin, México, programas públicos, uso instrumental, uso conceptual, uso simbólico.
Presenters José Danilo González Peña
Profesor Asistente, Universidad De Los Andes
O papel do planejamento e do Monitoramento e Avaliação na implementação da política de assistência social: um debate sobre construção de capacidades estatais locais
Comunicación (documento en extenso - no presencial) 12:00 Noon - 03:00 PM (UTC) 2019/09/26 12:00:00 UTC - 2019/09/26 15:00:00 UTC
A ação do Estado, sobretudo no que diz respeito à produção de políticas públicas, vem compondo nas últimas décadas a agenda de pesquisa de inúmeras áreas do conhecimento. Entre os diversos enfoques, o tema das capacidades estatais tem recebido atenção especial. Isso se dá, na medida em que se compreende “capacidades” como condição sine qua non à concretização dos compromissos estatais, tais como, o desenvolvimento econômico e social, a gestão dos serviços e sua entrega com qualidade à população, analisadas a partir de dimensões tais como burocrática, a fiscal e a relacional, podem contribuir ou constranger a formulação e a implementação de políticas públicas (CINGOLANI, 2013; GOMIDE; BOSCHI 2016; SOUZA, 2017). Partindo do pressuposto de que os municípios não são apenas executores autômatos de políticas públicas formuladas pela União, mas, ao contrário, são dotados de autonomia para produzir soluções adequadas às necessidades e especificidades de seu território e, portanto, cada vez mais atuantes e centrais na execução de políticas sociais de garantia de direitos, dado o processo de retração do papel da União, propomo-nos a investigar como estão sendo construídas as estruturas burocráticas e administrativas, especificamente de planejamento e de Monitoramento e Avaliação (MeA), com vistas a orientar a implementação municipal da assistência social em municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), no estado do Rio Grande do Sul. Busca-se, assim, compreender o nível de institucionalização de setores e atividades de gestão de assistência social, tais como: a vigilância socioassistencial, M&A e atividades de planejamento, visando verificar o nível de articulação de tais atividades e a relevância atribuída à elas vis-à-vis a execução direta de serviços. Nesse aspecto, inspirando-nos na modelo de Grau e Bozzi (2008), verificaremos se tais setores de gestão atendem a alguns critérios fundamentais para sua permanência no tempo e qualidade da entrega de produtos no processo de implementação, tais como: a) existência de institucionalização formal, com unidade coordenadora e nome próprio; b) regularidade das atividades; c) funcionários próprios com formação permanente; d) mínima densidade instrumental, ou seja, ferramentas e instrumentos próprios desenvolvidos sistematicamente para realizar M&A, vigilância socioassistencial e planejamento; e) realização de atividades de MeA voltadas à produção de dados próprios para planejar com base em sua realidade; f) utilização das informações resultantes e das atividades de MeA para o planejamento das ações dos distintos níveis de proteção e, g) articulação explícita dos usuários na produção de planejamento e M&A das ações da AS. Considerando os objetivos traçados, a opção metodológica foi realizar um estudo de caso múltiplo (YIN, 2001) em quatro municípios da RMPA/RS, o qual permite verificar tendências de um fenômeno social, possibilitando a formulação de hipóteses sobre a temática. Deste modo, foram analisados os municípios de São Leopoldo e Canoas, situados como municípios desenvolvidos do ponto de vista socioeconômico, mas que apresentam um histórico recente de implantação das ações de assistência social; e Alvorada e Viamão como municípios de baixo desenvolvimento socioeconômico, mas com uma trajetória de implantação dos serviços que remonta à década de 1990.
Presenters
LP
Luciana Pazini Papi
Professora Adjunta, Universidade Federal Do Rio Grande Do Sul
Co-authors
TJ
Talita Jabs Eger Pereira
Doutoranda, Universidade Federal Do Rio Grande Do Sul
TB
Taciana Barcellos Rosa
Estudante De Mestrado, Universidade Federal Do Rio Grande Do Sul
Avaliação de Políticas Públicas - Novo FIES: uma avaliação da evolução do programa no Brasil.
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 12:00 Noon - 03:00 PM (UTC) 2019/09/26 12:00:00 UTC - 2019/09/26 15:00:00 UTC
. O financiamento estudantil para cursar uma graduação é prática recorrente em diferentes países do mundo. No Brasil, em 2001, o governo federal instituiu o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), que é uma política pública que possibilita acesso a um financiamento de longo prazo para cursar graduação em alguma instituição privada que atende aos pré-requisitos do programa. O FIES é uma política de grande amplitude devido ao número de pessoas que alcança: em 2014, que foi o ano com maior número de novos contratos da história do programa, foram realizadas 732.593 adesões de estudantes. Atualmente, o programa tem regras muito diferentes daquelas que vigoraram até 2016. Entre 2001, quando surgiu, e 2016, quando foi interrompido, o programa passou por mudanças pontuais, mas somente em 2017 que ele foi redesenhado profundamente. Os novos contratos obedecem a critérios mais rígidos de pagamentos, tirando da União uma parte da responsabilidade financeira do programa e implementado formas de cobrança mais rígidas daqueles que utilizam o crédito do Fundo. Para guiar a pesquisa, definiu-se a seguinte hipótese: “O Novo FIES instituiu mudanças que serão capazes de garantir, por parte de alunos, governo e instituições de ensino, a efetividade e a eficiência da política”. A investigação deve se pautar em três perspectivas sobre o programa: a do governo, a do aluno e a da faculdade privada. A metodologia do trabalho deve ser mista: qualitativa e quantitativa. Essas abordagens atenderão tanto a perspectiva financeira de investigação do FIES quanto a abordagem analítica do funcionamento do desenho do programa, considerando para isso a literatura de avaliação de políticas públicas, nas perspectivas ex ante e ex post, bem como por meio da análise de impacto regulatório. O FIES é o maior programa de financiamento estudantil do país, inclusive quando comparado às iniciativas privadas para financiar o acesso ao ensino superior. Conforme relatório do Tesouro Nacional (TESOURO, 2015c), o programa apresentava, até então, uma série de problemas que apontavam sua insustentabilidade financeira, principalmente a respeito da inadimplência e alto risco de a União precisar arcar com os prejuízos financeiros. A partir dessas informações, o governo optou por suspender o programa em 2017, redesenhá-lo e lançar o Novo FIES. Uma série de mudanças foram tomadas, tanto do ponto de vista financeiro quanto operacional e administrativo. Nesse aspecto, a metodologia da análise de impacto regulatório, bem como a de avaliação ex ante, são úteis para verificar as consequências da nova regulação, pesando benefícios potenciais e custos estimados, com o objetivo de aumentar a probabilidade de uma ação mais acertada para a sociedade. Com a metodologia da avaliação ex post, é possível realizar a análise do gasto e dos avanços que o novo FIES teve desde que as novas regras foram postas em prática. A partir desse cenário, essa pesquisa deve contribuir com um entendimento mais apurado sobre o FIES, bem como com o avanço da aplicação das metodologias de avaliação de políticas públicas no Brasil.
Presenters Felipe Portela Bezerra
Técnico Administrativo Em Educação (UnB) E Professor De Administração Pública (IDP), Universidade De Brasília - UNB/Instituto De Direito Público De Brasília (IDP)
FM
Fernando Meneguin
Professor; Diretor, Instituto De Direito Público De Brasília (IDP); Ministério Da Justiça
Avaliação de Políticas Educacionais no Ceará: estudo da produção discente do Mestrado em Avaliação de Políticas Públicas da Universidade Federal do Ceará, Brasil
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 12:00 Noon - 03:00 PM (UTC) 2019/09/26 12:00:00 UTC - 2019/09/26 15:00:00 UTC
Este trabalho analisa as políticas públicas educacionais no Ceará por meio de um estudo da produção discente do Mestrado em Avaliação de Políticas Públicas - MAPP/UFC, notadamente, a partir das dissertações defendidas entre 2005 a 2015. Nesse sentido, foram analisadas dissertações sobre as políticas educacionais por meio de cinco dimensões analíticas: (i) objetivos e pressupostos da avaliação; (ii) marcos teóricos; (iii) categorias analíticas específicas à política avaliada; (iv) metodologias utilizadas; (v) resultados alcançados e produção de indicadores; (vi) a problematização do lugar epistemológico do avaliador. Os resultados alcançados, nesse momento, com o estudo de 24 dissertações do MAPP sobre a avaliação de políticas, programas e projetos de educação básica no Ceará demonstram indicadores que apresentam limites dos alcances das políticas educacionais. Se essas cumprem seus objetivos formais no desenvolvimento dos processos educativos, entretanto, as dissertações apontam que os seus resultados poderiam ser ampliados a partir da articulação entre a concepção e formulação das políticas educacionais e as diferentes realidades locais e institucionais onde são implementadas, sobretudo as escolas. Além disso, nessas produções, esses indicadores são interpretados à luz de perspectivas críticas sobre o Estado e sobre educação que orientam, analiticamente, a maioria das avaliações. Isso posto, com relação, especificamente, ao setor de educação avaliado chega-se a duas conclusões: (i) em que pese as tentativas de universalização das políticas e programas, os resultados não enfrentam a heterogeneidade de demandas locais, sobretudo em relação às escolas e os anseios dos sujeitos envolvidos; (ii) com isso, os alcances das políticas e programas são reduzidos na medida em que não alteram, sistematicamente, a qualidade da educação básica, associadas a valores como democracia, participação e controle social, inclusão social e diversidade. Contudo, os resultados encontrados também indicam, como primeiro aporte analítico acerca da avaliação, uma preocupação dos alunos na elaboração de desenhos metodológicos utilizando aportes multidimensionais e qualitativos, com a participação de diversos sujeitos políticos. Como segundo aporte analítico, as avaliações do MAPP constituem construções epistemológicas sob abordagens hermenêutico-compreensivas, permitindo, simultaneamente, compreender acerca das relações entre Estado, Administração Pública e Sociedade, e o contexto local das políticas públicas, onde a política é implementada. Essa perspectiva vai ao encontro de Lejano (2012), que afirma que a análise de políticas deva ser baseada na experiência da política, em seu cotidiano, em contextos específicos, como no caso da avaliação de políticas educacionais por meio de pesquisas de campo nas escolas e com sujeitos que ali estão, como alunos, diretores, técnicos, professores e pais. Com isso, há um terceiro aporte analítico: as múltiplas metodologias e técnicas de pesquisa empregadas contemplam, simultaneamente, a dimensão técnica e política ao avaliar políticas e programas em universos socioculturais heterogêneos. Como consideração final acerca dos resultados da pesquisa, têm-se que a produção de indicadores e os aportes analíticos permitem afirmar que as dissertações do MAPP tensionam o campo tradicional hegemônico positivista da avaliação ao contrapor avaliações de cunho hermenêutico, envolvendo distintos atores, instituições e contextos lpor meio da inserção no campo de pesquisa do avaliador e seus aportes críticos sobre as políticas.
Presenters Alcides Fernando Gussi
Professor, Universidade Federal Do Ceará - UFC
Co-authors
FE
Felipe Estevam Da Silva
Esutdante, Universidade Federal Do Ceará - UFC
Apoio financeiro do Governo Federal ao Programa Bolsa Família: Um estudo dos recursos destinados para o Índice de Gestão Descentralizada de 2011 à 2018
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 12:00 Noon - 03:00 PM (UTC) 2019/09/26 12:00:00 UTC - 2019/09/26 15:00:00 UTC
O presente artigo analisa a gestão da política de Assistência Social em estados e municípios do Brasil no período compreendido entre 2011 e 2018, tendo como foco de pesquisa os Índices de Gestão Descentralizada - IGDs do Sistema Único de Assistência Social - SUAS. Para tal, são comparados dados referentes à estes incentivos financeiros no primeiro mandato de Dilma Rousseff com os do período subsequente ao seu impeachment. O ano de 2015 iniciou um período de profundas alterações na implementação das políticas públicas brasileiras, resultante da adoção de medidas de austeridade fiscal que objetivavam, sobretudo, o controle dos gastos públicos e consequente recuperação da confiança dos investidores internacionais na economia do país (DWECK, TEIXEIRA, 2016). Após vencer um pleito eleitoral marcado por profunda polarização política e da sociedade, Dilma Rousseff inicia seu segundo mandato com inexpressivo apoio do Parlamento brasileiro, sob duras críticas da imprensa nacional e baixa aprovação popular (CARLEIAL, 2016). Esta combinação de fatores, atrelada aos fracos resultados obtidos na condução da política econômica e a intensificação dos conflitos com partidos da base aliada culminaram em um processo de impedimento amplamente criticado por expressiva parcela de estudiosos e, por fim, na interrupção do mandato de Dilma Rousseff. Em maio de 2016, Michel Temer assume o poder comprometido a por em prática uma agenda de reformas que difere profundamente daquelas defendidas pela chapa Dilma-Temer durante a campanha presidencial de 2014 (BENITES, 2016). A partir da análise dos dados do Portal da Transparência e daquelas fornecidas pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), observa-se que a política de Assistência Social, especialmente no que se refere aos recursos destinados para a gestão do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), tem sofrido uma retração, provavelmente resultante da política econômica ortodoxa adotada pelo Governo Federal brasileiro desde 2015 e radicalizada com a ascensão do Governo Temer. Os dados analisados apontam para uma piora no desempenho da Gestão do SUAS, que fatalmente se traduz em uma prestação de serviços públicos inadequado à população, seguido de queda no desempenho dos indicadores sociais brasileiros.
Presenters Elder Gabrich
Especialista Em Políticas Públicas E Gestão Governamental, Secretaria De Estado De Desenvolvimento Social De Minas Gerais
Maíra Dos Santos Moreira
Estudiante, Institute Des Hautes Études Internationales Et Du Développement
GS
Gabriele Silva
Superintendente, Secretaria De Estado De Trabalho E Desenvolvimento Social
Análise da participação da Companhia de Saneamento do Estado do Pará nos ciclos da política pública de Saneamento do Estado do Pará, Brasil
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 12:00 Noon - 03:00 PM (UTC) 2019/09/26 12:00:00 UTC - 2019/09/26 15:00:00 UTC
O Estado do Pará, localizado no Norte do Brasil, apresenta grandes deficiências no setor de saneamento básico. É significativo que nesta região, cujas bacias hidrográficas abrangem área de 1.253.164 km², 63,76% de uma população de cerca de oito milhões de pessoas não tenha acesso ao abastecimento de água potável, e 94,97% não tenha acesso à rede geral de esgotamento sanitário, representando grande ameaça ao meio ambiente da Região Amazônica. Nesse cenário, o desafio do Governo Estadual é o desenvolvimento de políticas públicas para a mudança dessa realidade, observando a Lei Federal n. 11.445/2007 – Lei de Diretrizes Nacionais de Saneamento Básico. No caso dos setores de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, a responsabilidade em 53 municípios é da Companhia de Saneamento do Estado do Pará – COSANPA, empresa de economia mista em que o Estado do Pará é o maior acionista, ficando os outros 91 municípios geridos por órgãos municipais ou empresas privadas. Assim, o objetivo do artigo é analisar e mapear a integração dos estágios do ciclo da política pública de saneamento básico da COSANPA, de 2012 a 2018, tendo como fundamento a visão de sistemas abertos aplicada ao modelo de estágios (policy cycle). Os procedimentos metodológicos foram de natureza exploratória e descritiva, com abordagem qualitativa e técnicas de pesquisa documental e bibliográfica. Inicialmente foi realizada a sistematização de dados de documentos de planejamento, orçamentação, execução, monitoramento e avaliação da COSANPA. Em seguida, os estágios foram analisados e mapeados os ciclos da política desenvolvida. Isso possibilitou a discussão da situação da COSANPA, e a apresentação de propostas. Os resultados da análise do planejamento demonstram diagnósticos deficientes dos problemas públicos de saneamento e a ausência do Plano Estadual de Saneamento, o que impacta negativamente na formulação de alternativas e prejudica a orientação das ações de curto, médio e longo prazos no setor. Diante da demanda necessária à universalização, foi verificada pequena representatividade da programação da COSANPA nos Planos Plurianuais do Estado do Pará. Ainda foi observado que o Estado repassou valor menor do que o orçado à Companhia, dificultando o cumprimento das metas estabelecidas. Analisando os demonstrativos contábeis, verificou-se o aumento dos prejuízos acumulados da empresa, indicando sérios problemas de gestão. Na análise dos valores repassados pelo Estado, via orçamento, foi constatada a pequena efetividade na execução física das ações planejadas. Além disso, o monitoramento das ações foi prejudicado pela falta de transparência na execução do orçamento das empresas públicas e pela fragilidade dos indicadores elencados. As avaliações forneceram feedback limitado, principalmente devido à intempestividade das recomendações e determinações dos órgãos de controle interno e externo do Estado do Pará. Finalizando, são apresentadas sugestões para fortalecer e aumentar a integração entre os estágios do ciclo da política de saneamento da COSANPA, o que é importante no esforço de universalização do acesso da população aos serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário no Estado do Pará, atendendo aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável propostos pela Organização das Nações Unidas e aos preceitos estabelecidos na Lei n. 11.445/2007.
Presenters Raquel Serruya Elmescany
Doutoranda, Universidade Federal Do Pará (UFPA)
Co-authors
JP
José Almir Pereira
Professor Titular, Universidade Federal Do Pará (UFPA)
Académico Escuela de Administración Pública, Facultad de Ciencias Económicas y Administrativas
,
Universidad Austral de Chile
professora
,
Universidade de Fortaleza
Investigador postdoctoral
,
Instituto de Políticas y Bienes Públicos (IPP). Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC)
Director
,
Corporacion CIDECC - Gurpo de Investigación Escuela Superior de Administración Püblica (ESAP)
Consultor
,
Consultor
+ 18 more speakers. View All
Dr. Breynner Ricardo De  Oliveira
Professor
,
Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP
Prof. Alcides Fernando Gussi
Professor
,
Universidade Federal do Ceará - UFC
No attendee has checked-in to this session!
Download Presentation Submitted by Cristiane Vieira Dos Santos
Download Presentation Submitted by Alcides Fernando Gussi
Download Presentation Submitted by Carlos Haefner
Download Presentation Submitted by Elder Gabrich
Download Presentation Submitted by Manuel Pereira-Puga
Download Presentation Submitted by José Danilo González Peña
Download Presentation Submitted by Juan Carlos Bejarano Moreno
Download Presentation Submitted by Raquel Serruya Elmescany
Program Navigator