Track 06 (Dia 2.) 26 sep 2019 (9:00-11:00h) 07 UC3M Getafe Edif. 18 (Aula 18.1.A05) Grupo de Trabajo | Sesión Especial
26 Sep 2019 09:00 AM - 11:00 AM(UTC)
20190926T0900 20190926T1100 UTC GT.POL 2019-33 Estrategias de política financiera del modelo neoliberal en países desarrollados y en desarrollo. Nuevas directrices sobre el rol del gobierno (conmemorativo 2016-2019)

Coordinación:

Jesus Castillo RendonDocente, UNAM-TESEjesus.castillo.r@hotmail.com 

Yadira Rodríguez PérezProfesor definitivo A, UNAMroyadira@hotmail.com 

El objetivo del grupo de trabajo es evaluar las estrategias de política financiera instrumentadas bajo el modelo neoliberal en países desarrollados como en desarrollo; y proponer nuevas directrices sobre el rol del gobierno en la instrumentación de la política financiera. La política financiera es la parte de la política económica encaminada a fomentar el ahorro y la inversión para estimular el crecimiento económico y mejorar la distribución del ingreso. De 1971 hasta nuestros días, se instrumenta una política financiera neoliberal basada en el mecanismo de mercado y una reducción significativa de la participación del gobierno; siendo los tres ejes fundamentales: liberalización financiera, desregulación económica y liberalización comercial. Los resultados de la política financiera neoliberal han sido disminución de la inversión pública, aumento de la inversión especulativa, bajos niveles de ahorro, aumento de la deuda interna y externa que han generado bajo crecimiento económico y una distribución del ingreso asimétrica.

Grupo de Trabajo Congresos anteriores 

GIGAPP 2018 - Estrategias política financiera del modelo neoliberal en países desarrollados y en desarrollo

GIGAPP 2017 - Estrategias de política financiera en los modelos de desarrollo estabilizador

GIGAPP 2016 - Estrategias de política financiera del modelo de desarrollo estabilizador y del modelo neoliberal en países desarrollados y en desarrollo

07 UC3M Getafe Edif. 18 (Aula 18.1.A05) GIGAPP X Congreso Internacional en Gobierno, Administracion y Politicas Publicas 2019 congresox@gigapp.org

Coordinación:

Jesus Castillo Rendon
Docente, UNAM-TESE
jesus.castillo.r@hotmail.com 

Yadira Rodríguez Pérez
Profesor definitivo A, UNAM
royadira@hotmail.com 


El objetivo del grupo de trabajo es evaluar las estrategias de política financiera instrumentadas bajo el modelo neoliberal en países desarrollados como en desarrollo; y proponer nuevas directrices sobre el rol del gobierno en la instrumentación de la política financiera. La política financiera es la parte de la política económica encaminada a fomentar el ahorro y la inversión para estimular el crecimiento económico y mejorar la distribución del ingreso. De 1971 hasta nuestros días, se instrumenta una política financiera neoliberal basada en el mecanismo de mercado y una reducción significativa de la participación del gobierno; siendo los tres ejes fundamentales: liberalización financiera, desregulación económica y liberalización comercial. Los resultados de la política financiera neoliberal han sido disminución de la inversión pública, aumento de la inversión especulativa, bajos niveles de ahorro, aumento de la deuda interna y externa que han generado bajo crecimiento económico y una distribución del ingreso asimétrica.

Grupo de Trabajo Congresos anteriores 

GIGAPP 2018 - Estrategias política financiera del modelo neoliberal en países desarrollados y en desarrollo


GIGAPP 2017 - Estrategias de política financiera en los modelos de desarrollo estabilizador


GIGAPP 2016 - Estrategias de política financiera del modelo de desarrollo estabilizador y del modelo neoliberal en países desarrollados y en desarrollo




México: Indicadores de infraestructura financiera de la banca múltiple, 2015-2018
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 09:00 AM - 11:00 AM (UTC) 2019/09/26 09:00:00 UTC - 2019/09/26 11:00:00 UTC
En México, la estructura financiera está basada en el mercado crediticio; la banca múltiple y de desarrollo realizan el financiamiento de corto y largo plazo. Según, el reporte sobre el sistema financiero de 2018; las empresas privadas no financieras se financiaban en un 47.1% con la banca múltiple y de desarrollo; el 66% del financiamiento al consumo de los hogares provenía de la banca comercial; y el financiamiento con mayor dinamismo: el crédito automotriz. El objetivo de la presente investigación fue calcular indicadores de infraestructura financiera utilizados por la banca múltiple para el financiamiento a las empresas privadas no financieras y a los hogares. Las bases de datos para realizar los indicadores de infraestructura financiera fueron los microdatos de la Encuesta Nacional de Inclusión Financiera 2015 y 2018; y la paquetería económica Stata. La investigación se desarrolló en tres momentos argumentales: Primero desde la visión keynesiana y poskeynesiana se analizó el crédito, los tipos de crédito y los determinantes. Después, se calcularon indicadores de infraestructura financiera. Finalmente, se vincularon los aspectos de la teoría keynesiana y poskeynesiana con los indicadores.
Presenters Yadira Rodríguez Pérez
Profesor Definitivo A/Docente Curricular, UNAM-TESE
Co-authors
JC
Jesus Castillo Rendon
Docente, UNAM-TESE
GD
Germán Dominguez Bocanegra
Docente Curricular, Tecnológico De Estudios Superiores De Ecatepec
México: transición de gobierno y su intervención en la inclusión financiera, 2012-2019
Comunicación (documento en extenso - no presencial) 09:00 AM - 11:00 AM (UTC) 2019/09/26 09:00:00 UTC - 2019/09/26 11:00:00 UTC
En México, durante la administración del expresidente Enrique Peña Nieto (2012-2018), entró en vigor la reforma financiera en enero del 2014 y resultó ser el desencadenante que iba a permitir una serie de cambios en la estructura financiera del país. Este escrito tiene por objetivo analizar y comparar cómo ha sido la evolución, los objetivos y los resultados que se han presentado durante el periodo 2012-2019, con el cambio al gobierno actual del presidente Andrés Manuel López Obrador. Para dicho fin, se utilizan los microdatos de la Encuesta Nacional de Inclusión Financiera de los años: 2012, 2015 y 2018, haciendo cruces con los sectores de las encuestas en el programa Stata. Se realiza una vinculación con la teoría estructural de la economía en la que se resalta los cambios que se han visto en materia de desigualdad. Finalmente, se hace una propuesta de política pública que considera el aspecto económico, político y social debido a que hay diversos campos de oportunidad para aplicarla.
Presenters
AM
Aarón Morales
Pasante De La Carrera De Economía , Universidad Nacional Autónoma De México UNAM Facultad De Estudios Superiores Aragón, FES
La política Financiera en México y sus efectos en el desarrollo empresarial 2015-2017
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 09:00 AM - 11:00 AM (UTC) 2019/09/26 09:00:00 UTC - 2019/09/26 11:00:00 UTC
Mejorar el crecimiento económico, en América latina y México es una preocupación constate, en las últimas décadas en México, durante el sexenio de Enrique Peña Nieto, el gobierno federal apoyó a alrededor de 481 mil 811 MyPymes, con una derrama crediticia por 629 mil 464 mdp, de acuerdo con el Sexto Informe de Gobierno. El financiamiento se encamino para proyectos productivos y de acceso a crédito, asesoría, capacitación, y vinculación a programas públicos, y la gestión de premios y eventos de cultura emprendedora. Analizando lo anterior, no se logró el impacto esperado para el país, ya que México ocupa el lugar 45 de inclusión y desarrollo económico entre 78 economías del planeta, provocado por la limitada penetración bancaria y la concentración de servicios financieros en zonas urbanas, de acuerdo con el “FMI” Fondo Monetario Internacional. Esto significa que las condiciones para promover la participación de los habitantes con menos recursos en la economía, son menos propicias y oportunas en México que las ofrecidas por países de desarrollo similar en América Latina como Argentina (lugar 7); Uruguay (sitio 12); Costa Rica (puesto 25); Panamá (lugar 29); Chile (Rank 30) y Perú (escalón 40).
Presenters Yadira Rodríguez Pérez
Profesor Definitivo A/Docente Curricular, UNAM-TESE
Co-authors
GD
Germán Dominguez Bocanegra
Docente Curricular, Tecnológico De Estudios Superiores De Ecatepec
LS
Luz María Sotelo Orozco
Docente, Tecnológico De Estudios Superiores De Ecatepec
Análise do desempenho financeiro das empresas estatais federais: um contraponto entre as classificações legais e a dependência de recursos do controlador.
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 09:00 AM - 11:00 AM (UTC) 2019/09/26 09:00:00 UTC - 2019/09/26 11:00:00 UTC
A dependência de recursos do controlador e o desempenho das empresas estatais é um tema relevante para os países, especialmente, diante da necessidade de racionalização do gasto e da redução do déficit público. No Brasil, existe uma classificação legal que segrega as empresas estatais em dependentes e independentes (dependência fiscal). Em resumo, as empresas independentes são aquelas que não recebem recursos para o pagamento de despesas de manutenção, enquanto que as dependentes recebem recursos para essa finalidade. As empresas independentes, em sua maioria, exploram atividade econômica enquanto que as dependentes são geralmente criadas para a prestação de serviços públicos e, portanto, não objetivam a maximização de seus lucros. Dessa forma, é natural esperar maior desempenho econômico das empresas independentes fiscalmente, visto que exercem atividades capazes de gerar maior retorno financeiro. A pesquisa possui como objetivo principal, analisar a relação entre a dependência de recursos da União e o desempenho financeiro das empresas estatais federais brasileiras, durante os exercícios de 2014 a 2017. Os dados foram coletados nas demonstrações contábeis das empresas públicas selecionadas para estudo, obtidas nos sítios eletrônicos oficiais das companhias. Foram classificados dois grupos, um formado pelas empresas independentes fiscalmente, mas com dependência econômica, e o segundo formado pelas empresas dependentes fiscal e economicamente. Para avaliação das empresas, adotou-se o cálculo do seu desempenho econômico-financeiro por meio dos números contábeis, de forma a ser possível a comparação entre os grupos apresentados. A avaliação do desempenho empresarial se deu pelo modelo de RIV, AEG e R-score. Os dois primeiros modelos foram desenvolvidos por Ohlson (1995, 2005) para apreçar os ativos com vistas a avaliar a performance empresarial, já o terceiro foi proposto por Piotroski (2000), sugerindo a utilização de indicadores contábeis para classificação das companhias. No intuito de verificar se há semelhança entre os desempenhos financeiros de uma empresa classificada fiscalmente como independente, e que, portanto, deveria ser capaz de gerar recursos suficientes para seu financiamento, mas que, na prática, carece de recursos do controlador para manter suas operações, e o desempenho de uma empresa dependente, cuja criação objetiva a prestação de serviços públicos, não sendo prioridade a obtenção de lucros, ainda que no exercício de atividade econômica, utilizou-se duas técnicas de comparação de grupos: teste de comparação de média e análise de cluster. O resultado da pesquisa indica um desempenho estatisticamente semelhante em todos os exercícios analisados para os três indicadores definidos de medição do desempenho financeiro. Concluindo que a dependência de recursos do ente controlador exerce influência significativa no desempenho das empresas públicas federais, independentemente da situação fiscal dessas empresas. OHLSON, J. A. Earnings, book values, and dividends in equity valuation. Contemporary Accounting Research, v. 11, n. 2, p. 661-687, 1995. OHLSON, J. A. On accounitng-based valuation formulae. Review of Accounting Studies, v. 10, n. 2-3, p. 323-347, 2005. PIOTROSKI, J. D. Value investing: the use of historical financial statement information to separate winners from losers. Journal of Accounting Research, v. 38, p. 1-41, 2000.
Presenters
VC
Vanessa Constanti
Auditor Federal De Finanças E Controle, Ministério Da Transparência Controladoria-Geral Da União - CGU
Co-authors
JD
Janilson Antonio Da Silva Suzart
Auditor Federal De Finanças E Controle, Controladoria Geral Da União
Robson Zuccolotto
Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES
A evidenciação dos investimentos pelos governos nacionais do continente americano e a percepção de risco pelo mercado: um estudo exploratório
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid) 09:00 AM - 11:00 AM (UTC) 2019/09/26 09:00:00 UTC - 2019/09/26 11:00:00 UTC
Situações particulares envolvendo a evidenciação dos investimentos em outras entidades não é exclusividade do Brasil. As regras sobre a consolidação das demonstrações em outros países, no atual estágio, nem sempre estão alinhadas com a visão proposta pela IPSAS 35. Há países que divulgam apenas as demonstrações que abrangem o governo central (apenas os ministérios e/ou departamentos governamentais e agências estatais), excluindo da consolidação os entes descentralizados. Há países que consolidam apenas algumas empresas, considerando um critério específico, como por exemplo as estatais dependentes, no caso do Brasil. E há, ainda, países que consolidam todos os entes públicos (incluindo os entes subnacionais), sem que haja uma relação de controle entre as entidades que compõem as demonstrações consolidadas. O estudo trata da relação entre o nível de evidenciação de investimentos e a percepção de risco pelo mercado. Os investimentos societários são materialmente relevantes para os entes nacionais e a forma de evidenciá-los pode impactar a percepção de risco pelo mercado. Por meio da abordagem da teoria da sinalização de Spence (1973) formulou-se a hipótese de que o mercado reagiria de forma positiva a bons níveis de evidenciação. Utilizou-se como proxy para mensurar o nível de evidenciação o padrão IPSAS. Assim, por meio da técnica de análise de correspondência (ANACOR) múltipla foi possível mensurar uma proxy do nível de evidenciação. Na sequência, passou a utilização da técnica de análise gráfica, visando dispor de modo visual os países em relação a duas dimensões: (i) o nível de evidenciação; e (ii) a percepção do mercado. A partir da disposição gráfica, foi possível medir o grau de associação entre essas duas variáveis, com o apoio do teste qui-quadrado. Os resultados demonstram que há associação entre melhores (piores) níveis de evidenciação e melhor (pior) percepção de risco pelo mercado, o que sugere que os países do Continente Americano, premiados com melhor percepção de risco pelo mercado, vêm adotando as IPSAS, ainda que parcialmente. Foi possível visualizar grupos de países com características similares em termos de evidenciação. De modo geral, foi identificado que os países das Américas do Sul e do Norte tem maior nível de evidenciação que os países da América Central. Destaca-se, contudo, que não houve nenhuma ponderação sobre o porte desses países, pois nitidamente, os países da América Central são de menor porte (quer seja populacional, quer seja economicamente). O principal achado do trabalho foi verificar empiricamente associação entre nível de evidenciação e percepção de risco pelo mercado, o que sugere que os países do Continente Americano, mesmo na ausência de obrigatoriedade, vêm adotando, mesmo que parcialmente, as IPSAS, para sinalizarem ao mercado que possuem melhores condições e, consequentemente, influenciar a percepção de risco por parte dos agentes do mercado.
Presenters
VP
Vinicius Pereira
Controladoria Geral Da União
Co-authors
JD
Janilson Antonio Da Silva Suzart
Auditor Federal De Finanças E Controle, Controladoria Geral Da União
LM
Ludmila Melo
Professor, Universidade De Brasília - UNB
A evidenciação de passivos atuariais de empresas públicas federais e os fatores que influenciam essa contabilização
Comunicación (documento en extenso - no presencial) 09:00 AM - 11:00 AM (UTC) 2019/09/26 09:00:00 UTC - 2019/09/26 11:00:00 UTC
A contabilização do passivo atuarial é assunto novo no âmbito da Administração Pública. Além dessas novidades impostas à contabilização, o reconhecimento de passivo atuarial é tema complexo por envolver entre outros aspectos, taxas de desconto, previsão de reajuste de salários, inflação, tábuas de mortalidade e expectativa de retorno para os ativos. Os passivos atuariais surgem a partir de benefícios concedidos a empregados, como os planos de benefício definido, que podem assumir riscos atuariais e riscos de investimentos. A partir desse contexto, o presente trabalho buscou fatores que influenciam o reconhecimento dos passivos atuariais nas Empresas Públicas Federais. Entre outros aspectos que podem dificultar a evidenciação de passivos atuariais por parte das empresas públicas, foi avaliada a dependência de recursos, que revela a dependência de vários tipos de recursos ou insumos, sem os quais a atuação das organizações fica prejudicada. Além disso, também foram avaliados de que forma os mecanismos de governança das entidades afetam a contabilização dos passivos atuariais. Para atingir o objetivo principal desta pesquisa, foram escolhidas as técnicas de Regressão Logística e Análise de Correspondência. A população em estudo foi formada pelas empresas diretamente controladas pelo governo federal brasileiro, que em dezembro de 2018, alcançaram o número de 46. Para as análises, serão avaliadas essas 46 empresas, em relação às demonstrações contábeis relativas ao ano de 2017. Os resultados indicaram o mecanismo de governança como único aspecto capaz de influenciar significativamente a evidenciação de passivos atuariais por parte das empresas públicas, ou seja, entidades com melhores níveis de governança têm maior probabilidade de divulgar informações sobre seus passivos atuariais. Acerca da dependência de recursos, o coeficiente estimado não foi significativo, logo a dependência não se mostrou relevante para alterar a probabilidade de evidenciação dos passivos atuariais das empresas avaliadas. Em que pese as empresas estatais apresentarem, em grande parte dos casos (40), além da dependência de recursos financeiros, outros tipos de dependência, por exemplo, dependência de insumos, devido à existência fornecedores exclusivos em suas atividades, ou a dependência de clientes exclusivos, esse aspecto não influenciou as evidenciações de passivos atuariais. É notório que a evidenciação dos passivos atuariais foi diretamente influenciada pela boa governança apresentada por parte das empresas avaliadas. Essa relação pode ser explicada de diversas formas. Algumas empresas negociam em Bolsas de Valores e por isso são mais cobradas por transparência e pela fidedignidade das demonstrações contábeis. Além disso, outras empresas podem possuir acordos de cooperação com outras entidades, o que normalmente exige níveis mais robustos dos mecanismos de governança. Dessa forma, no caso da evidenciação dos passivos atuariais, a margem de manobras das empresas com boa governança diminui bastante. De outra maneira, as empresas que apresentaram baixa governança e, consequentemente, fragilidades na evidenciação dos seus passivos atuariais possuem, em grande parte, falhas em suas linhas de defesa.
Presenters
LL
Lucas Leite
Controladoria Geral Da União
Co-authors
JD
Janilson Antonio Da Silva Suzart
Auditor Federal De Finanças E Controle, Controladoria Geral Da União
DG
Diones Gomes Da Rocha
Auditor Federal De Controle Extermo, Tribunal De Contas Da União
Pasante de la carrera de Economía
,
Universidad Nacional Autónoma de México UNAM Facultad de Estudios Superiores Aragón, FES
Controladoria Geral da União
Controladoria Geral da União
Profesor definitivo A/Docente curricular
,
UNAM-TESE
Docente
,
UNAM-TESE
Prof. Yadira Rodríguez Pérez
Profesor definitivo A/Docente curricular
,
UNAM-TESE
No attendee has checked-in to this session!
Download Presentation Submitted by Janilson Antonio Da Silva Suzart
Download Presentation Submitted by Janilson Antonio Da Silva Suzart
Download Presentation Submitted by Janilson Antonio Da Silva Suzart
Download Presentation Submitted by Germán Dominguez Bocanegra
Program Navigator