(Re)pensando a a Avaliação em Organizações da Sociedade Civil a partir do Conceito de Utilidade Social

This abstract has open access
Abstract Summary
A capacidade de organizações da sociedade civil impactar socialmente é aqui reconhecido como utilidade social (Gadrey, 2005; Silva Júnior, 2016). A avaliação pode ajudar essas organizações a superar suas próprias barreiras, bem como ajudar investidores a identificar para quem destinar seus recursos (Mitchell & Berlan, 2018). Silva et al. (2014), entendem que o interesse no Brasil por práticas de avaliação tem crescido. Mas, é preciso considerar também que todo processo de avaliação é permeado de interesses e conflitos (Mitchell & Berlan, 2016, 2018). Considerando a influência de aspectos contextuais e organizacionais sobre a realidade da atuação dessas organizações, qual perspectiva epistemológica deve ser adotada na avaliação da utilidade social? Diante dessa questão, este trabalho discute os aspectos contextuais que envolvem os procedimentos de avaliação, (a) apresentando definições sobre avaliação; (b) tentando desmitificar a ideia de avaliação da utilidade social em organizações da sociedade civil; e (c) apresentando algumas metodologias de avaliação utilizadas nessas organizações. De acordo com Coelho & Lopes (2009), qualquer intervenção econômica e social tem como característica a existência de certa probabilidade quanto aos seus resultados, que são variados, por exemplo: nas dimensões sociais, culturais, políticas e econômicas (França Filho, 2004; Silva Júnior, 2016). E a avaliação leva à ampliação da consciência sobre esses resultados, permitindo melhores escolhas e decisões (Brandão, Silva & Palos, 2005). Para, Mitchel & Berlan (2018), o contexto influencia a forma como essas organizações avaliam seus impactos, inclusive o rigor das metodologias adotadas. Na avaliação, deve-se considerar as seguintes assertivas: a dimensão econômico-financeira não é a única a ser considerada na análise; há outros interesses que influenciam/motivam a realização da avaliação; não é possível isolar o projeto/programa avaliado de seu contexto, pois a realidade da avaliação também é uma construção social; as metodologias qualitativas que são capazes de detectar a natureza das relações que envolvem o processo avaliativo; a avaliação será útil mesmo quando apontar impactos negativos; e precisa ser estimulada/viabilizada para que seja parte da cultura organizacional. A perspectiva epistemológica que considere que não é possível separar os sujeitos da realidade que estão inseridos (ou seja, não podemos separar a avaliação do contexto em que as intervenções e ela própria acontecem). Desse modo, só é possível captar todos os elementos da realidade, todas as interações das práticas e dos processos de avaliação, se: (a) for adotada uma metodologia de “investigação avaliativa”; que (b) considere todos os atores do processo avaliativo, avaliadores e avaliados; e (c) contemple a colaboração entre instrumentos quantitativos e, sobretudo, instrumentos qualitativos.
ID del abstract:
2019971730
Final Presentation File/Archivo Presentación :
If the file does not load, click here to open/download the file.
Eje temático propuesta :
1. Gobierno instituciones y comportamiento político
Professor - Investigador
,
Universidade Federal do Cariri - UFCA, Brasil
Professor efetivo da Faculdade de Ciências Contábeis, na UFBA
,
Universidade Federal da Bahia UFBA
professora da Escola de Administração da UFBA
,
Universidade Federal da Bahia UFBA

Similar Abstracts by Type

ID de la propuesta
Título
Tópico
Tipo Propuesta
Primary Author
2019931651
29 Estudios críticos en políticas públicas
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid)
Rosana De Freitas Boullosa
20191385
02 Políticas Públicas y derechos sociales
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid)
Ms. Thaysa Sonale Almeida Silva
2019501631
37 Políticas de Seguridad Humana y Procuración de Justicia
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid)
Dr. Wendell de Freitas Barbosa
2019561691
02 Políticas Públicas y derechos sociales
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid)
Prof. Melina Ferreira
2019521633
04 Gobernanza Metropolitana
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid)
Dr. Francisco Raniere Moreira Da Silva
2019831718
10 Controle Cidadão, Ação Pública e Coprodução
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid)
Jones Barros
2019361568
33 Política financiera
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid)
Mr. Vinicius Pereira
2019351686
17 La complejidad del servicio público. Realidad, transformaciones y retos
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid)
Mrs. Alessandra Mendes Monteiro
2019581695
17 La complejidad del servicio público. Realidad, transformaciones y retos
Ponencia (documento en extenso para presentar en Madrid)
Mr. Maurício Dias Silva